quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Aquele sentimento estranho...

Será possível que um dia todo mundo entenda?
Aquele sentimento estranho,
aquela troca de olhar instantâneo,
aquela pessoa que invade sua mente!

Isso é amor?
Ou é paixão?
Ninguém sabe o que realmente é, se é emoção
Ou apenas ilusão.


Ninguém sabe,
ninguém entende,
mas sempre se surpreende,
pelo simples fato

Que todo mundo um dia vai sentir,
e vai sorrir,
com esses pensamentos,
e vai entender, mesmo sem saber o que é, isso, que nós chamamos de:
PAIXÃO!



Um dos últimos posts do ano de 2010 (ou o último), mas que 2011 seja próspero e um ano incrível, para todos nós!

Beijos e Abraços,
Bibiana M. P. Carneiro.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Você acredita em anjos?

         Há muito tempo, em tempos esquecidos pelo homem, aconteceu um fato, que mudou toda a história da humanidade, um fato que ninguém aqté hoje sabe se é apenas uma lenda, ou se realmente aconteceu. E se aconteceu, ninguém sabe onde começa a história e termina a lenda, e onde termina a história e começa a lenda. Mas a verdade é que os poucos que chegaram perto de descobrir isso, desaparecerem.
        -Você acredita em anjos Anne? - perguntou a professora de religião para Anne Lucy Angelo, que dormia profundamente, a professora se obrigou a falar mais alto, e Anne acordou um pouco confusa.
        -Se eu acredtio em que? - perguntou Anne confusa e com a voz lenta por causa do sono, a professora a olhou com doçura, ela sabia que Anne ao contrário de todos os seus alunos, não era cristã e nem acreditava em muitas coisas.
         -Vou repetir a pergunta, preste atenção - Anne olhou a professora só com metade da atenção, o fato é que ela nunca havia prestado atenção em religião alguma, ela ainda não entendia muitas coisas, e havia coisas que realmente ela deixara de acreditar há muito tempo - Anne, você acredita em anjos?
         -Anjos? - Anne a olhou voltando sua atenção total para a professora. Ok, anjos, era um assunto complicado, seres luminosos do bem? È Anne não acreditava nisso, pelo menos sua parte lógica não, mas sua mente lhe dizia que existiam, e que ela acreditava. Anne realmente não sabia o que responder, como falar que não sabia se acreditava?
       -É Anne, anjos - alguma colega falou - Sabemos que ela não acredita professora, quer passar para outra pessoa a pergunta? - a professora olhou a colega e pediu silêncio.
        -Anne pode muito bem responder, e eu não tenho certeza se ela não vai te surpreender - a professora voltou a olhar para Anne, que estava pensando - Então Anne, você acredita ou não acredita?
        -Bem professora, não que eu não acredite em anjos, mas talvez o meu jeito de acreditar seja diferente dos seus, ou o do resto da turma - ela falou confiante, como se tivesse percebido alguma coisa. E realmente havia.
      Lembra como eu comecei esse texto? Podemos dizer que ela descobriu que realmente existiam anjos, mas não sabia se isso era invenção da mente dela, ou os seres humanos haviam transformado algo real em lenda.
        -E de que jeito você acredita nos anjos? - perguntou a professora curiosa, não era todo dia que uma aluna simplesmente saia contrariando o jeito que ela acreditava em anjos.
         -Eu acredito neles professora, não importa a forma, mas sim que eu acredito, eu sei que eles existem, mas não sei como eles são, pois o homem, através dos tempos mudou muito o seu jeito de ver as coisas, e suas crenças foram mudando com ele, exatamente por isso, eu acredito em anjos, mas não sei o quanto de suas lendas são reais e o quanto são fantasias humanas - e nessa hora o sinal bateu, indicando o recreio, e o fim daquela aula. Anne saiu sem ligar muito para o fato, ninguém nunca ligava para suas crenças, mas sua professora pensou no que ela disse.
       Realmente, muitas pessoas já duvidaram da existêmcia de muitas coisas, mas pelo simples fato de que as lendas humanas misturam a realidade e a fantasia. Mas mesmo assim, o importante é acreditar, porque enquanto alguém acreditar, toda lenda pode ser real.
      E você? Acredita em Anjos?


Texto de:
Bibiana Maria Pivato Carneiro.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A porta estava fechada, e eu simplesmente a abri.

Eu abri a porta
Sem saber onde eu estava entrando
Eu estava perdida em uma linha torta
Eu simplesmente abri a porta

Eu não tinha para onde ir
A porta era o único caminho
Ela estava fechada e eu a abri
A porta era o único caminho a seguir

A porta estava aberta pra mim
Eu entrei e abri os olhos
Lá dentro um campo de flores sorria para mim

A porta estaria sempre aberta para mim,
o outro caminho sempre sorriria quando eu  o seguisse, 
Pois as portas estariam abertas, esperando por mim.



B.M.P.C

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

E hora de acordar par a a vida!

Eu ainda me perguntava que horas eram
quando vozes me disseram
é hora de acordar
e de ver o sol raiar

Abri meus olhos, e vi minha vida mudar
vi tudo bonito ficar
vi que eu também podia amar
E foi assim que foi meu despertar

Eu vi uma luz no fim de um mundo insano
eu entendi que nada era tão estranho
que era a vida simplesmente assim

Assim como alguém um dia vê a luz
eu sem carregar um pecado pesado igual a uma cruz
Abri meus olhos hoje e vi a minha vida feliz ficar


Bibiana Maria Pivato Carneiro
B.M.P.C