Pular para o conteúdo principal

Encontros....

6825836905344395_rh1hdyaq_f_large


"Por quanto tempo você acha que pode continuar fugindo e fingindo que tudo está bem?" Essa pergunta com certeza cercava a mente de Alice por onde quer que ela fosse. Agora que seus pés a levavam para algum lugar que ela não conhecia, perguntas e mais perguntas rodeavam sua mente. 
Ela nunca foi uma garota que fugia das coisas, mas sabe, ás vezes algumas perguntas fogem do nosso controle, e quando a única certeza que temos é o nosso nome e idade, você pode ter certeza que você começou a pensar um pouquinho mais do que os outros, só que claro, isso também é um problema, por que como vamos entender um mundo tão hipócrita quanto esse, que gosta de apelar a hipocrisia dizendo que ela é uma ótima maneira de evitar conflitos? 
Ser sincero sempre não dá? Talvez não, mas ficar sendo hipócrita sempre com essa desculpa é falta de vergonha na cara. E Alice estava pensando nisso e dando um nó na sua cabeça quando achou um rapaz de terno encostado em um poste, ele fumava, e estava com os pensamentos tão longe quanto o dela. 
A garota parou apenas por achar curioso ele estar de terno, ás seis e meia da tarde, e por supor que ele era jovem, gostaria muito de saber porque diabos ele estava fumando e ferrando com os pulmões, mas Alice sabia que todos nós temos demônios, e todos lidam de formas diferentes com eles. 
-Você deve estar pensando, por que ele está fumando, será que não vê que vai acabar com os pulmões? Deve se perguntar também o porquê eu estou de terno, e deve achar que sou um rapaz de uns 16 anos - o rapaz olhou para ela, que não tinha se apercebido, mas estava parada o olhando.
-Um pouco das duas primeiras, agora da terceira eu não sei, não julgo idade por aparência - ela deu de ombros, e por um momento achou que conhecia o rapaz de algum lugar. 
-Eu também me fiz perguntas sobre você, parece que te conheço de algum lugar, mas isso não importa. Você tá fugindo do que? - a pergunta foi direta, e Alice deu de ombros, ele era um bom observador. 
-De perguntas, apesar de querer a resposta delas. 
-Você tem medo do que pode ser a resposta de algumas delas, certo?
 -Na verdade, tenho medo de todas as respostas. 
-Já pensou que se temer as respostas, talvez evite as perguntas certas? - ele deu um sorriso enigmático - Ignore o medo, e aprenda com as respostas, não as julgue como boas ou ruins, apenas as compreenda e decida se concorda com elas ou não. 
-Mas e se eu não concordar com elas? 
-Nenhum grande cientista concordou com as explicações religiosas, o que eles fizeram?
-Foram procurar suas próprias respostas? 
-É. Tem medo disso?
-De achar as minhas próprias respostas? Não. 
-Então pare de fazer só perguntas e comece a tirar conclusões - ele apagou o cigarro e ajeitou o terno. 
-E você pare de fumar - ela falou dando dois passos e parando para ouvir a resposta dele. 
-Quando você achar as suas respostas, eu paro - ele sorriu e atravessou a rua. Alice continuou o seu caminho, pensando no que o estranho lhe falara, e tentando descobrir de onde o conhecia. Foi quando lembrou que tinha o noivado de sua madrinha, ela saiu correndo para casa, terminou de se arrumar, e adivinhem quem ela encontrou sentando em uma mesa brincando com as flores da decoração?
-Olha, olha, quem diria, o estranho é ninguém mais e ninguém menos que o Vini - Alice falou sorrindo e sentando do lado dele, o garoto sorriu. 
-A última vez que eu te vi você ainda era mais alta, apesar de eu ser mais velho.
-A última vez que nos vimos você estava comendo terra no parquinho, não fumava e eu não tinha milhares de perguntas na cabeça. 
-Já achou a resposta delas? - ele a fitou prendendo seu olhar ao dela. 
-Estou a caminho - os dois sorriram, e nem perceberam o que estava prestes a acontecer. Talvez porque não importava o que fosse acontecer no futuro, importava o presente, as perguntas que eles ainda não tinham respondido, e naquele momento em especial, colocar a conversa em dia e quem sabe antes de ir pra casa um beijo roubado? 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 conselhos de alguém com quase 20 anos

Oi, tem alguém aí? Em dez dias eu faço duas décadas de existência. E isso é muita coisa, ou pouca, depende do ponto de vista. Mas do meu ponto de vista é um bocado, que só me diz que tem mais um bocado pela frente (Graças a Deusa), e que já aprendi muito, e que ainda tem muito a aprender. Nesses últimos 19 anos eu aprendi muitas coisas, mas a principal é que essa vida só tem significado enquanto estamos aprendendo algo, que cada dia é uma lição e que enquanto você não aprender a lição que a vida quer lhe dar você vai continuar sendo colocada nas mesmas situações. Eu sei que a maioria das pessoas acredita que só aprendemos na prática, mas não acredito nisso porque já aprendi muito com conselhos dos outros ou ouvindo histórias dos outros e evitando repetir o mesmo erro, afinal, mesmo que não fosse comigo a situação era parecida e o resultado provavelmente seria o mesmo. Digo isso porque vou compartilhar 20 coisas que aprendi ao longo desses quase 20 anos e acho que podem ser muito út…

Resenha: O poeta do exílio.

e
Sinopse: Pedro e Júlia estavam animados. Sua banda era finalista do festival estudantil Vozes de Classe. O regulamento exigia que as músicas se inspirassem em poetas brasileiros. Cada banda interpretou essa exigência à sua maneira. Precisavam agora animar a torcida. Os jovens criam cartazes, lançam torpedos, folhetos etc. E precisam também reunir informações sobre Gonçalves Dias, o autor do poema que deu origem à música classificada. Então, Pedro teve a ideia de criar um blog especial. Nasceu assim o BlogDoDias. Ali cabia tudo o que se relacionasse a Gonçalves Dias: poemas, cartas, artigos de jornal, documentos da época do poeta... Enfim, o blog agitou a galera e acabou se transformando em um completo dossiê sobre o poeta. No meio de todo esse agito, Pedro e Júlia parece que estão...Ah, os poemas de amor de Gonçalves Dias...
Certo, hoje de manhã a linda da coordenadora do colégio apareceu com os livros que iremos ler esse trimestre, eu nem um pouco metida, já li o meu livro, primeiro …

Internet Ruim e Nescafé

A internet ruim é algo irritante. Só cai e mal funciona, causando um mau humor danado para quem usa, e digo mau humor para os controlados, porque para os impacientes explosivos (como eu) passam raiva e acabam por se irritar e descontar em quem estiver por perto.
                O problema da internet que não funciona como deveria, é que ela nos engana, nos ilude e nos usa, deixando-nos ainda mais na frente do computador, para que por algum motivo continuemos a passar nosso tempo passando raiva e o gastando em algo que por não funcionar como deveria, é quase como não fazer nada.                 E também é assim o nescafé, ele deveria ser café, mas não é. Não tem o mesmo gosto, e deveria ter, ou assim, você é iludido a pensar. Mas o gosto é diferente, e para alguém que aprecia o bom café, entende o que estou tentando falar (ou não, minha mãe ama café e também ama nescafé... Acho que a culpa disso é por ela ser de gêmeos... Não que eu acredite em signos...).                 E por que es…