Pular para o conteúdo principal

Entrevista com a autora Renata Penka

                Olá gente, estou dando sinal de vida (eba!!). Na verdade, eu já deveria ter feito esse post, porém essa semana foi bem corrida e acabei ficando sem tempo. Porém aqui estou. E hoje trago uma novidade muito legal.
                Na sexta-feira (8 de Novembro) teve o lançamento na Livrolar News, aqui em Caçador-SC, o lançamento do livro Entre Trovões, da autora Renata Penka e publicado pela editora InVerso.
                Estive presente no evento e conversei com a escritora, que é muito querida e ama História (assim como eu). E fiz uma entrevista (primeira de toda a minha vida), espero que gostem e conheçam melhor o novo livro dessa nova escritora, que está de parabéns pela obra e pela publicação. 

Conversa com a autora....

Como veio a ideia de escrever o livro Entre Trovões?
          Eu gosto muito de assistir filmes, ler, sempre desde pequena, mas nunca tive aquela coragem para colocar no papel as ideias. Aí eu pensei “tem que tentar para ver o que acontece, aí comecei, na época estava no Ensino Médio, e quando vi estava com uma quantidade boa de páginas e quanto mais eu escrevia mais eu me motivava a continuar.
Quanto tempo demorou para ser publicado?
           Ele ficou uns três anos parado, por conta dos estudos, e quando eu retornei a escrever foi uns dois meses para terminar e entrar em contato com a editora e conseguir a publicação
Como foi receber a notícia que seu livro seria publicado?
Foi incrível, eu lembro que até hoje, a hora que eu abri o e-mail e tinha um da editora eu fiquei “E agora? É a hora da verdade?”, eu fiquei muito feliz, porque era uma coisa que eu não havia mostrado para ninguém, eu tinha vergonha porque sempre tem aquela coisa de não acreditar que algo que você fez é tão bom para ser publicado.

Quando você tem ideias, o que te inspira?
Eu não tenho exatamente um método, as vezes estou trabalhando e surge um nome, uma imagem, fico com as ideias e passo para o papel.
Qual foi seu personagem preferido de escrever em Entre Trovões?
Ah, foi a Ágata, protagonista da história. Eu vejo nela algumas características minhas, porque na época do colégio, na época de colégio e de primeiro amor, eu me baseei em coisas minhas, das minhas amigas, histórias que tinha na época, que eu acabei adaptando para criar a personagem.
Você tem alguma mania, como escutar música enquanto está escrevendo?
Escutar música ajuda bastante, eu acho que o estilo da música acaba influenciando na cena que você está escrevendo, se for uma melodia mais romântica a cena fica mais assim, e se for algo mais séria, o personagem está em um momento tenso, você coloca um rock e ajuda bastante na cena.
Alguma banda ou canto de preferência?
Eu escuto de tudo, sou bem eclética, mas não escuto sertanejo e nem aqueles rock muito pesados, mas o que eu mais escuto é Maroon 5, John Meyer e Cobie Caillat
Dos personagens masculinos qual foi teu preferido de escrever?
         Na verdade, são três personagens masculinos e três femininos, e eu tentei fazer todos eles com características bem próprias, por exemplo, o Murilo é aquele ideal de protagonista americano, o jogador de futebol, aquele tipo que toda menina, por mais que negue, acaba achando legal. O Leo, bem amigo da Ágata, é bonito, mas é um perfil de homem mais companheiro, que faz de tudo para agradar a menina que gosta. Já o Vinicius, é o irmão da Carol, é outro tipo, é o tipo de cara que gosta de ficar com várias ao mesmo tempo para se falar o bonzão, e não quer nada muito sério com ninguém.
Você costumar criar uma estrutura pro seu livro, ou vai escrevendo como vem a inspiração?
               Eu vou escrevendo normalmente como vem a inspiração. Ás vezes eu estou escrevendo uma cena, e vem alguma ideia, um objeto especifico que eu não sei como usar, deixo anotado para depois encaixar.
Você tem algum projeto novo, alguma continuação?
             Eu comecei uma continuação do Entre Trovões, mas surgiram novas ideias, outras histórias, alguma coisa mais adulta.
Na história você fala sobre o Egito e dramas adolescentes e você fala que se baseou em coisas que você viveu, você acha que o livro pode ajudar os adolescentes em algumas questões dessa fase?
Eu acho que sim, porque tem muito daquela coisa de identificação, porque todo mundo passa por essa faze de primeiro amor, das dúvidas que isso trás e da escola, que é algo que todo mundo passa, onde tem amigos e professores que marcam.
Você se baseou em algum professor real seu do Ensino Médio par algum dos professores do livro?
Especificamente não, mas eu fiz a professora, a Mônica, eu tentei fazer ela, não aquele estereotipo de professor, eu tentei colocar uma professora mais amiga, mais humana, mais próxima dos alunos, já que história não é uma matéria que todo mundo goste.
Quais são suas séries preferidas?
                Friends, How I met your mother e The Walking Dead.
Como é trabalhar com uma editora?
                Bom para mim foi muito tranquilo, cheguei com o texto pronto, e fiquei naquela espera se tinha futuro ou não, aí recebi a resposta que tinha, com algumas coisinhas para modificar, que eu concordei, e no resto foi realmente tranquilo.
Você gostou da capa, ajudou na escolha?
Sim, eu ajudei a escolher a imagem. E eu acho que ficou muito a ver com a história.
Você tem alguma dica para os novos escritores?
Você não pode dizer, tem que colocar na sua cabeça que tem gente que vai ler e que vai gostar, tem gente que vai ler e não vai gostar, mas você não pode desistir, tem que continuar, porque é muito difícil começar e logo deslanchar, tem que continuar e não é um não que pode te parar.

Algumas fotos do evento:

Minha foto com a autora (não podia faltar, né!)






Um pouco mais sobre o livro...

Entre TrovõesSinopse:Início do ano letivo no colégio Lacerda. O segundo ano do ensino médio começava com um misto de alegria e saudade para os melhores amigos Ágata, Tina e Leo. A volta de Ágata ao colégio depois de um ano no Rio Grande do Sul, despertava nela lembranças doloridas que a morte de alguém muito especial causou. Mas, isso será amenizado com a felicidade de estar entre seus amigos e retomar o estágio em enfermagem que ela tanto gostava.Outro trio, Murilo e os irmãos Vinícios e Carol estavam animados com a união da equipe de futebol estudando na mesma sala. Depois de apresentados os seis, o capitão Murilo percebeu em Ágata, a menina não popular mais interessante do colégio, o que significava o sentimento que se chama amor.Se de um lado o amor florescia, do outro, o ciúme crescia. O famoso e encrenqueiro André, capitão da equipe de handebol tentará de todo jeito se envolver com Ágata. Usando o ponto fraco dela.Entre conversas, festas, aulas de dança e muitos machucados, uma viagem ao Egito pode mudar o destino de todos eles. Criando laços e memórias para toda uma vida.Este é o ensino médio que você gostaria de viver!
Sobre a autora:Pós-graduada em Jornalismo, atualmente trabalha como web writer em empresas gráficas. Redatora que possui muita Criatividade Plus, que faz Somente Coisas Legais e que adora um bom Café Com Galo. Nas horas livres, não resiste aos seus cachorros, filmes, acessórios e esmaltes. Acredita que a inspiração aparece em qualquer situação e qualquer pessoa pode sim realizar seus sonhos, basta ter paciência.
Onde comprar online: http://www.editorainverso.com.br/livro_dentro.php?id=93

Espero que tenham gostado, deixem o comentário, e sigam o blog. 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 conselhos de alguém com quase 20 anos

Oi, tem alguém aí? Em dez dias eu faço duas décadas de existência. E isso é muita coisa, ou pouca, depende do ponto de vista. Mas do meu ponto de vista é um bocado, que só me diz que tem mais um bocado pela frente (Graças a Deusa), e que já aprendi muito, e que ainda tem muito a aprender. Nesses últimos 19 anos eu aprendi muitas coisas, mas a principal é que essa vida só tem significado enquanto estamos aprendendo algo, que cada dia é uma lição e que enquanto você não aprender a lição que a vida quer lhe dar você vai continuar sendo colocada nas mesmas situações. Eu sei que a maioria das pessoas acredita que só aprendemos na prática, mas não acredito nisso porque já aprendi muito com conselhos dos outros ou ouvindo histórias dos outros e evitando repetir o mesmo erro, afinal, mesmo que não fosse comigo a situação era parecida e o resultado provavelmente seria o mesmo. Digo isso porque vou compartilhar 20 coisas que aprendi ao longo desses quase 20 anos e acho que podem ser muito út…

Resenha: O poeta do exílio.

e
Sinopse: Pedro e Júlia estavam animados. Sua banda era finalista do festival estudantil Vozes de Classe. O regulamento exigia que as músicas se inspirassem em poetas brasileiros. Cada banda interpretou essa exigência à sua maneira. Precisavam agora animar a torcida. Os jovens criam cartazes, lançam torpedos, folhetos etc. E precisam também reunir informações sobre Gonçalves Dias, o autor do poema que deu origem à música classificada. Então, Pedro teve a ideia de criar um blog especial. Nasceu assim o BlogDoDias. Ali cabia tudo o que se relacionasse a Gonçalves Dias: poemas, cartas, artigos de jornal, documentos da época do poeta... Enfim, o blog agitou a galera e acabou se transformando em um completo dossiê sobre o poeta. No meio de todo esse agito, Pedro e Júlia parece que estão...Ah, os poemas de amor de Gonçalves Dias...
Certo, hoje de manhã a linda da coordenadora do colégio apareceu com os livros que iremos ler esse trimestre, eu nem um pouco metida, já li o meu livro, primeiro …

Internet Ruim e Nescafé

A internet ruim é algo irritante. Só cai e mal funciona, causando um mau humor danado para quem usa, e digo mau humor para os controlados, porque para os impacientes explosivos (como eu) passam raiva e acabam por se irritar e descontar em quem estiver por perto.
                O problema da internet que não funciona como deveria, é que ela nos engana, nos ilude e nos usa, deixando-nos ainda mais na frente do computador, para que por algum motivo continuemos a passar nosso tempo passando raiva e o gastando em algo que por não funcionar como deveria, é quase como não fazer nada.                 E também é assim o nescafé, ele deveria ser café, mas não é. Não tem o mesmo gosto, e deveria ter, ou assim, você é iludido a pensar. Mas o gosto é diferente, e para alguém que aprecia o bom café, entende o que estou tentando falar (ou não, minha mãe ama café e também ama nescafé... Acho que a culpa disso é por ela ser de gêmeos... Não que eu acredite em signos...).                 E por que es…