Pular para o conteúdo principal

Resenha: A Batalha do Apocalipse

                                             
                A Batalha do Apocalipse é um livro incrível (que clichê começar a falar de um livro assim, mas o que eu posso fazer se amo clichês?), porque sim, oras... Não, não é porque sim, é porque pelas suas lindas e maravilhosas 586 páginas (a minha edição tem exatamente esse número de páginas, apesar de eu não ter lido todo o glossário) você fica tão vidrado na história, que não consegue parar de pensar nos personagens.
                Eduardo Spohr tem uma narrativa épica, do tipo que te faz ter a sensação de estar lendo histórias de heróis (e tecnicamente você está lendo), pois Ablon, que é o personagem principal, também conhecido como o Anjo Renegado, é o nosso herói, e ele tem tudo o que precisa para ser um. Toda aquela história de honra, preocupação com a humanidade, porém só usa seu poder em último caso, nega sua espada, é apaixonado pela (linda, poderosa, diva) feiticeira Shamira e não pode ficar com ela devido todas as intrigas que está envolvido.
                Peraí, mas que intrigas Bibiana? Leia o livro se quiser saber (eu sei, que grosseria mais clichê).
                Mas do que fala o livro? Fala da Batalha do Apocalipse, porém não só da batalha, mas do que leva até ela. Tendo cenas do presente e do passado, com personagens marcantes e cativantes o autor faz com que você queira saber mais e mais até chegar ao fim do livro.
                Eu fiquei tão presa à história que me enrolei um monte para terminar de ler, não porque o livro não é bom, mas sim porque ele é ótimo e eu não queria que a história acabasse (e fazia um tempo considerável que eu fazia isso, se bem que a falta de tempo de ler ajudou um pouquinho).
                O que eu mais gostei no livro é o jeito que ele é narrado, e como o autor trabalha em cima dos personagens. A escolha de palavras, adjetivos e todas essas coisas que se usa para escrever uma boa história, Eduardo Spohr sabe usar perfeitamente. E a teoria que ele se embasa e constrói sua própria história (ficcional é claro) dentro de uma história que todos nós conhecemos é fantástica (a não ser que você seja alguém muito religioso, então você nãovai gostar do livro, achando-o um pouquinho herege, mas, whatever, é um livro fantástico).
                A literatura fantástica nacional está me cativando cada vez mais, e A Batalha do Apocalipse tem algumas partes que provocam uma reflexão um pouco maior sobre nós seres humanos e o que nós somos. Eu simplesmente adorei e recomendo.

                

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 conselhos de alguém com quase 20 anos

Oi, tem alguém aí? Em dez dias eu faço duas décadas de existência. E isso é muita coisa, ou pouca, depende do ponto de vista. Mas do meu ponto de vista é um bocado, que só me diz que tem mais um bocado pela frente (Graças a Deusa), e que já aprendi muito, e que ainda tem muito a aprender. Nesses últimos 19 anos eu aprendi muitas coisas, mas a principal é que essa vida só tem significado enquanto estamos aprendendo algo, que cada dia é uma lição e que enquanto você não aprender a lição que a vida quer lhe dar você vai continuar sendo colocada nas mesmas situações. Eu sei que a maioria das pessoas acredita que só aprendemos na prática, mas não acredito nisso porque já aprendi muito com conselhos dos outros ou ouvindo histórias dos outros e evitando repetir o mesmo erro, afinal, mesmo que não fosse comigo a situação era parecida e o resultado provavelmente seria o mesmo. Digo isso porque vou compartilhar 20 coisas que aprendi ao longo desses quase 20 anos e acho que podem ser muito út…

Resenha: O poeta do exílio.

e
Sinopse: Pedro e Júlia estavam animados. Sua banda era finalista do festival estudantil Vozes de Classe. O regulamento exigia que as músicas se inspirassem em poetas brasileiros. Cada banda interpretou essa exigência à sua maneira. Precisavam agora animar a torcida. Os jovens criam cartazes, lançam torpedos, folhetos etc. E precisam também reunir informações sobre Gonçalves Dias, o autor do poema que deu origem à música classificada. Então, Pedro teve a ideia de criar um blog especial. Nasceu assim o BlogDoDias. Ali cabia tudo o que se relacionasse a Gonçalves Dias: poemas, cartas, artigos de jornal, documentos da época do poeta... Enfim, o blog agitou a galera e acabou se transformando em um completo dossiê sobre o poeta. No meio de todo esse agito, Pedro e Júlia parece que estão...Ah, os poemas de amor de Gonçalves Dias...
Certo, hoje de manhã a linda da coordenadora do colégio apareceu com os livros que iremos ler esse trimestre, eu nem um pouco metida, já li o meu livro, primeiro …

Internet Ruim e Nescafé

A internet ruim é algo irritante. Só cai e mal funciona, causando um mau humor danado para quem usa, e digo mau humor para os controlados, porque para os impacientes explosivos (como eu) passam raiva e acabam por se irritar e descontar em quem estiver por perto.
                O problema da internet que não funciona como deveria, é que ela nos engana, nos ilude e nos usa, deixando-nos ainda mais na frente do computador, para que por algum motivo continuemos a passar nosso tempo passando raiva e o gastando em algo que por não funcionar como deveria, é quase como não fazer nada.                 E também é assim o nescafé, ele deveria ser café, mas não é. Não tem o mesmo gosto, e deveria ter, ou assim, você é iludido a pensar. Mas o gosto é diferente, e para alguém que aprecia o bom café, entende o que estou tentando falar (ou não, minha mãe ama café e também ama nescafé... Acho que a culpa disso é por ela ser de gêmeos... Não que eu acredite em signos...).                 E por que es…