Pular para o conteúdo principal

Resenha do livro Feérica

                
A primeira coisa que eu gostaria de comentar sobre esse livro, e olha que tenho umas mil coisas para comentar (estou sendo dramática), é que pela primeira vez na vida uma autora conseguiu me fazer ficar com fome e vontade de comer alguma coisa enquanto lia um livro. Obrigada Carolina Munhóz por ter me feito bicha (expressão que usamos aqui no sul para expressar: vontade) com Frango Frito. Sério, aquela cena ficou sensacional, e me deu fome.
                Em fim, acabei de terminar Feérica (eu deveria estar dormindo, eu tenho vestibular da UFSC hoje, é, é três da manhã, mas tudo bem é só a tarde e a manhã é uma criança feita para dormir) e estou sentindo o meu mundo rodopiar e girar, porque essa história é muito mais do que parece ser.
                Quer dizer, a premissa de realit show e todas aquelas futilidades de Hogwarts, para uma garota tipo eu, parece algo: Tá, vai ser divertido, mas não vai ter nada demais no livro. E caramba, como eu estava engana em pensar assim.
                Mas deixe me explicar, é que quando vi os livros da Carol, eu queria muito O Inverno das Fadas (que chegou hoje, eba!!) porque a premissa dele parece tão encantadora, entende? E como eu não assisto realits shows e sou tipo um zero pra lá da esquerda em questões do mundo pop, eu não estava tão animada. Mas aí comecei a ler e me apaixonei pela Violet e suas trapalhadas.
                Sério, nunca vi talento para se meter em tantas confusões e mesmo assim continuar sendo uma personagem legal. Quer dizer, normalmente as meninas de livros ficam todas mimi quando fazem alguma bobagem, e a Violet pode tanto ficar com mimi ou sair explodindo tudo (não tão dramaticamente, mas algo assim).
                Primeiro, eu adorei a ideia da nossa linda fadinha violeta ser excluída no mundo dela, e de como ela veio parar aqui (e isso eu não posso falar porque é spoiler! Se quiserem saber, leiam o livro). E adorei o personagem que primeiramente a ajudou o Senhor Antônio. Aliás é um dos meus personagens preferidos.
                Aliás, além das confusões da Violet, e das cenas super bem construídas e dinâmicas que a Munhóz fez, os personagens dela são os melhores. Todos são divertidos, e alguns extremamente chatos. Mas do tipo que a Violet não percebe que são chatos (cof, cof Sabrina). E de certa forma isso é legal.
                Lembrando a Violet é uma fada, toda pura, colorida e de cabelo roxo, o que é um drama para ela pelo que o pessoal diz que significa em seu mundo, que por um monte de confusões acaba sendo obrigada a vir para a Terra. E quando ela chega é tipo uma daquelas criancinhas que não vê malícia em nada, que não entende nada. E fica totalmente fascinada, porque caramba ela simplesmente sempre admirou os humanos e de repente estava aqui no nosso mundo maluco e cheio de meio-termos.
                E ainda por cima ela vira famosa. Como? Revelando-se em um realit show, tem coisa mais chamativa do que isso? A cena que ela se revela é muito boa, de verdade.
                Violet acaba se envolvendo no nosso mundo maluquinho, e acaba vendo que nem tudo são flores, e de certa forma vai se corrompendo pela fama, pelo dinheiro e tudo mais .E toda sua vida se transforma durante cinco meses de altos e baixos.
                Onde ela passa por humilhações, conquistas, corações partidos. Particularmente falando eu acho que ela é um poço de azar em questão de amor, mas no fim... Bem, no fim ela vai notar o quanto ela é ceguinha. E certo camarada de olhos claros também... (Isso foi meio que um spoiler, não me matem).
                Ahh, mas o mais legal é que ela é uma criatura fantástica que acaba entrando em contato com o nosso universo nerd (lê-se Senhor dos Anéis, Star Wars...) e que cita vários trechos disso. O que é bem legal, uma fada toda interessada em moda e maquiagem, que também é nerd (não que isso seja anormal, mas em livros esse tipo de personagem não sabe nem quem é a Princesa Leia).
                Em fim, o livro é engraçado, tendo cenas hilárias, algumas cenas que te fazem ter raiva de alguns personagens, outras que você fica com raiva da própria futilidade humana (impossível negar que as coisas mostradas ali não acontecem na realidade), algumas cenas que fazem pensar e um fim surpreendente e fofo. Muito fofo.
                O livro é super bem estruturado, a capa é linda, e a autora que é a Carolina Munhóz conduz a história com maestria, e deixo aqui o comentário que ela é muito atenciosa com os fãs e que sua história (caso não conheçam, procurem conhecer) é inspiradora, e que ela merece todas as coisas boas do mundo. Porque o talento dela é uma benção das fadas, e sua simpatia é algo admirável e que espero que não se perca nunca!
                Eu recomendo muito o livro, eu li ele em pouco tempo (o livro chegou aqui quinta, eu li ele até a metade durante a madrugada, aí durante o dia de sexta não li, e fui ler agora era uma da manhã, e terminei agora que é exatamente três e meia), a leitura é rápida, divertida e tudo o que há de bom.

                É um ótimo presente de natal, aliás, já que é época e algumas pessoas podem estar pensando em livros para parentes que gostam de ler. É muito bom. Em fim leiam o livro e se divirtam com a Violet. Uma fada que de certa forma, trouxe um pouquinho de magia a nossa humanidade.  

Mais informações no Skoob

Comentários

  1. a capa é bonita, mas eu achei ela meio infantil, tanto que sempre vejo nas livrarias mas nunca me chamou a atenção por causa disso.. mas me parece uma boa leitura pra passar o tempo em uma tarde que você não tem muito o que fazer! quem sabe um dia heheh


    xx
    thyoungcouture.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ooi Esther, não consigo classificá-lo como infantil, é realmente um ótimo livro para passar a tarde, mas digamos que a mensagem que ele passa é muito bonita. E tem algumas coisas que eu não chamaria de nada infantil SHUAHSUHA
    Super recomendo, viu?
    Beijinhos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 conselhos de alguém com quase 20 anos

Oi, tem alguém aí? Em dez dias eu faço duas décadas de existência. E isso é muita coisa, ou pouca, depende do ponto de vista. Mas do meu ponto de vista é um bocado, que só me diz que tem mais um bocado pela frente (Graças a Deusa), e que já aprendi muito, e que ainda tem muito a aprender. Nesses últimos 19 anos eu aprendi muitas coisas, mas a principal é que essa vida só tem significado enquanto estamos aprendendo algo, que cada dia é uma lição e que enquanto você não aprender a lição que a vida quer lhe dar você vai continuar sendo colocada nas mesmas situações. Eu sei que a maioria das pessoas acredita que só aprendemos na prática, mas não acredito nisso porque já aprendi muito com conselhos dos outros ou ouvindo histórias dos outros e evitando repetir o mesmo erro, afinal, mesmo que não fosse comigo a situação era parecida e o resultado provavelmente seria o mesmo. Digo isso porque vou compartilhar 20 coisas que aprendi ao longo desses quase 20 anos e acho que podem ser muito út…

Resenha: O poeta do exílio.

e
Sinopse: Pedro e Júlia estavam animados. Sua banda era finalista do festival estudantil Vozes de Classe. O regulamento exigia que as músicas se inspirassem em poetas brasileiros. Cada banda interpretou essa exigência à sua maneira. Precisavam agora animar a torcida. Os jovens criam cartazes, lançam torpedos, folhetos etc. E precisam também reunir informações sobre Gonçalves Dias, o autor do poema que deu origem à música classificada. Então, Pedro teve a ideia de criar um blog especial. Nasceu assim o BlogDoDias. Ali cabia tudo o que se relacionasse a Gonçalves Dias: poemas, cartas, artigos de jornal, documentos da época do poeta... Enfim, o blog agitou a galera e acabou se transformando em um completo dossiê sobre o poeta. No meio de todo esse agito, Pedro e Júlia parece que estão...Ah, os poemas de amor de Gonçalves Dias...
Certo, hoje de manhã a linda da coordenadora do colégio apareceu com os livros que iremos ler esse trimestre, eu nem um pouco metida, já li o meu livro, primeiro …

Internet Ruim e Nescafé

A internet ruim é algo irritante. Só cai e mal funciona, causando um mau humor danado para quem usa, e digo mau humor para os controlados, porque para os impacientes explosivos (como eu) passam raiva e acabam por se irritar e descontar em quem estiver por perto.
                O problema da internet que não funciona como deveria, é que ela nos engana, nos ilude e nos usa, deixando-nos ainda mais na frente do computador, para que por algum motivo continuemos a passar nosso tempo passando raiva e o gastando em algo que por não funcionar como deveria, é quase como não fazer nada.                 E também é assim o nescafé, ele deveria ser café, mas não é. Não tem o mesmo gosto, e deveria ter, ou assim, você é iludido a pensar. Mas o gosto é diferente, e para alguém que aprecia o bom café, entende o que estou tentando falar (ou não, minha mãe ama café e também ama nescafé... Acho que a culpa disso é por ela ser de gêmeos... Não que eu acredite em signos...).                 E por que es…