Pular para o conteúdo principal

Fantasmas em Mansões


Untitled
As pessoas não deviam ter medo do fantasma do casarão, ele é bem mais confiável do que a maioria da cidade. Se bem que não tenho certeza se realmente converso com o John, ou as drogas ilícitas que uso fazem com que o veja e tenha papos filosóficos com o meu próprio subconsciente. 


Estou saindo de casa, meu pai está vidrado no telejornal e minha mãe na cozinha lendo um livro enquanto espera a janta ficar pronta. Dou um tchau silencioso para ela que me lança um olhar triste sabendo que já não manda mais em mim. 
Não que alguma vez tenham. Apesar de que meu pai ainda acredita que me controla, pobre coitado, não que eu esteja com dó, mas sabe como é, pessoas iludidas causam pena. E é isso que ele realmente é: um cara iludido digno de compaixão, mas não da minha.
Sinto o ar frio da noite, sempre que decido ir para a mansão abandonada da esquina o ar está do mesmo jeito, o céu estrelado e a noite agradável, mas ao mesmo tempo melancólica. Perfeita para que minha vontade seja subjugada por vícios. 
Untitled Não demoro para chegar a velha mansão, entro descaradamente, há anos que ninguém mais vive por lá mesmo. Respiro fundo, sentando-me no canto em que posso ver as estrelas e começo a usar o que consegui comprar. Só o suficiente para me fazer flutuar. O suficiente para vê-lo.
Ao término das doze badaladas John aparece, olha-me com uma careta e senta do meu lado. Solta um suspiro pesado, eu o sigo e mordo o lábio.
-Seu coração tem tantos demônios que um dia você vai acabar morrendo - John comenta por fim, ele sempre usa frases parecidas para iniciar uma conversa. 
-Assim como seus demônios fizeram com você? - peço, como sempre fazendo com que aquele ciclo vicioso continuasse, o de eu me drogar para vê-lo, para conversar a noite inteira até o raiar do dia e então quando ele se fosse, ir também e voltar quando precisasse desesperadamente de companhia, incrivelmente quase sempre em noites de lua cheia. 
Porém tem algo de diferente hoje. Posso sentir. 
-Sim - ele responde e pela primeira vez é direto o ponto. Eu viro para vê-lo, parece mais nítido do que nunca. Ignoro o fato e continuo a conversa. Falamos sobre vida, mas principalmente sobre morte. E então vejo que o sol já vai nascer. 
-O sol está nascendo - sussurro - Daqui a pouco você some... - sinto algo pegar na minha mão. É a primeira vez que consigo tocar em John, meu coração bate forte. Ao menos o que acho ser um coração.
-Não dessa vez - ele sussurra - Seus demônios finalmente conseguiram. 
-Mas me levaram até você, isso é assim tão ruim? - peço sem entender direito o que ele está falando, sem entender o real significado. 
-Depende do ponto de vista. Para mim estar morto nunca foi ruim - e então ele me beija. E posso sentir o beijo. Eu sempre achei um clichê estar apaixonada por algo que não existia, mas agora eu sei que John é real. E que agora eu sou como ele. 
E quando o significado me atinge, estou tão feliz para lamentar a minha morte que vejo tudo mais como o fim de um círculo vicioso e triste que me conduziu até os braços da morte e - ironicamente - do único que realmente amo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 conselhos de alguém com quase 20 anos

Oi, tem alguém aí? Em dez dias eu faço duas décadas de existência. E isso é muita coisa, ou pouca, depende do ponto de vista. Mas do meu ponto de vista é um bocado, que só me diz que tem mais um bocado pela frente (Graças a Deusa), e que já aprendi muito, e que ainda tem muito a aprender. Nesses últimos 19 anos eu aprendi muitas coisas, mas a principal é que essa vida só tem significado enquanto estamos aprendendo algo, que cada dia é uma lição e que enquanto você não aprender a lição que a vida quer lhe dar você vai continuar sendo colocada nas mesmas situações. Eu sei que a maioria das pessoas acredita que só aprendemos na prática, mas não acredito nisso porque já aprendi muito com conselhos dos outros ou ouvindo histórias dos outros e evitando repetir o mesmo erro, afinal, mesmo que não fosse comigo a situação era parecida e o resultado provavelmente seria o mesmo. Digo isso porque vou compartilhar 20 coisas que aprendi ao longo desses quase 20 anos e acho que podem ser muito út…

Resenha: O poeta do exílio.

e
Sinopse: Pedro e Júlia estavam animados. Sua banda era finalista do festival estudantil Vozes de Classe. O regulamento exigia que as músicas se inspirassem em poetas brasileiros. Cada banda interpretou essa exigência à sua maneira. Precisavam agora animar a torcida. Os jovens criam cartazes, lançam torpedos, folhetos etc. E precisam também reunir informações sobre Gonçalves Dias, o autor do poema que deu origem à música classificada. Então, Pedro teve a ideia de criar um blog especial. Nasceu assim o BlogDoDias. Ali cabia tudo o que se relacionasse a Gonçalves Dias: poemas, cartas, artigos de jornal, documentos da época do poeta... Enfim, o blog agitou a galera e acabou se transformando em um completo dossiê sobre o poeta. No meio de todo esse agito, Pedro e Júlia parece que estão...Ah, os poemas de amor de Gonçalves Dias...
Certo, hoje de manhã a linda da coordenadora do colégio apareceu com os livros que iremos ler esse trimestre, eu nem um pouco metida, já li o meu livro, primeiro …

Por que tenho o costume de sumir e voltar?

Oi, tem alguém aí? Provavelmente sou uma das pessoas mais relapsas com um blog que existe, desde que criei este blog, creio que só no ano de 2014 consegui mantê-lo com pelo menos um post ao mês. 2014 foi o que chamei de ano dos blogs literários e do booktube. Ler virou moda e todo mundo queria ter seu próprio blog sobre isso (principalmente com a ideia de parcerias com editoras e livros “de graça”, infelizmente). 2015 o pessoal migrou para o YouTube, e agora em 2017 até mesmo os canais do youtube estão abandonados e o pessoal sumido. É claro que muita gente foi pra faculdade, o que consome seu tempo (motivos pelo qual depois de março do ano passado não consegui atualizar nada aqui, na verdade só lembrei que o blog existia algumas vezes), mas muita gente desanimou com a ideia, porque além de trabalho a maioria das resenhas não eram sinceras, eram elogios a capa, a edição e uma opinião não muito clara sobre os livros. O famigerado booktube tem sofrido com isso porque o pessoal cansou…